Por que NÃO guardar dinheiro no cofrinho de moedas?💸

Cofrinho de moedas

Usar o cofrinho de moedas talvez seja um dos hábitos mais antigos e clássicos quando o assunto é “poupar dinheiro”. Essa estratégia de poupança é comum quando somos crianças, porém, passa a não ser tão vantajosa quando as quantias são mais altas. 

Apesar disso, no Brasil, mais de 25% das pessoas usam o cofrinho de moedas, segundo uma pesquisa do Banco Central (BC). Ao todo são mais de 8 bilhões de moedinhas guardadas, que equivalem a mais de R$ 1,4 bilhão. 

Como podemos ver, esse é um hábito comum no país, porém, o que poucas pessoas sabem e, por melhor que seja a intenção de optar pelo cofrinho de moedas para poupar, existem mais contras do que prós nessa prática. 

Além do dinheiro ficar parado e não render existem riscos, como, por exemplo, a exposição desses valores a casos de roubo ou ações do tempo, que podem até fazer com que ele perca a validade.

Para você entender melhor os motivos e os porquês você deve quebrar o seu cofrinho de moedas, neste artigo abordaremos: 

  • 5 motivos para quebrar seu cofrinho de moedas
  • Quando devo guardar dinheiro em casa?
  • Como investir meu dinheiro do cofrinho? 

Se interessou pelo assunto? Então, boa leitura! 

5 motivos para quebrar seu cofrinho de moedas

Se existe um motivo para manter seu cofrinho de moedas intacto existem muitos outros para quebrá-lo hoje mesmo. Abaixo elencamos alguns dos porquês você não deve deixar seu dinheiro parado, guardado em casa. 

Guardar dinheiro em casa é um risco

Um dos motivos para quebrar hoje mesmo seu cofrinho de moedas é que manter dinheiro em casa pode ser um grande risco. Imagina se hoje sua residência fosse assaltada, será que suas economias seriam preservadas? 

A Pesquisa Nacional de Vitimização, realizada há anos atrás, mostrou que mais 53% dos casos de crimes estão relacionados ao furto de objetos, ou seja, seu cofrinho de moedas corre mais perigo em casa. 

O dinheiro desvaloriza com a inflação 

Dinheiro parado fica fadado a desvalorização. Isso porque a alta inflação no país irá fazer você perder o poder de compra se o seu dinheiro estiver parado. 

Ou seja, quanto mais tempo você retém seu dinheiro no cofrinho de moedas, maior será o prejuízo com o passar dos dias.

Afinal, a inflação aumentará o valor das coisas e você terá o mesmo poder de compra do início, de quando começou a poupar, já que seu dinheiro estará parado. 

Você não deixará seu dinheiro render 

Com certeza você já ouviu dizer que deixar o dinheiro parado não é um bom negócio. É isso mesmo! O dinheiro dentro do seu cofrinho de moedas não apresenta nenhum ganho real, isto é, não rende. 

O ideal então, para quem quer um investimento conservador, como o cofrinho de moedas, e que tenha um rendimento, mesmo que mínimo, deve optar por aplicá-lo na poupança, CDB ou títulos do governo. 

Terá dificuldades para conseguir crédito 

Guardando seu dinheiro em casa, seja embaixo do colchão ou no cofrinho de moedas, também irá dificultar o acesso a crédito pessoal, se houver necessidade. Os bancos costumam exigir garantias para emprestar dinheiro e consultam a vida financeira do cliente. 

Se você não possui conta, não movimenta seus ganhos e sequer consegue provar que tem o dinheiro de fato guardado, a tendência é de que seu crédito seja reprovado ou que você tenha acesso a uma alta taxa de juros. 

Afetará o troco do comércio 

Outro problema para quem resolve economizar moedas é que interfere diretamente no troco do comércio. Muitos estados, como Roraima, segundo um levantamento da Folha BV, acaba sofrendo com a escassez de moedas no setor comercial. 

Conforme o estudo, muitos estabelecimentos da região acabam oferecendo bombons como troco, por não terem moedas à disposição. Uma estimativa do Banco Central é de que ao menos 8 bilhões de moedas não estão em circulação no país, como citamos anteriormente. 

Se você não quer receber seu troco em bombons ou balas futuramente, que tal quebrar seu cofrinho de moedas e fazer suas moedinhas circularem no mercado? 

Quando devo guardar dinheiro em casa? 

A resposta para essa pergunta poderia facilmente ser: nunca! Contudo, existem algumas situações em que o cofrinho de dinheiro pode ter alguma utilidade, mas que fique claro que são exceções. Confira algumas delas abaixo: 

  • Educar a criança: o cofrinho pode ser útil para ensinar os pequenos sobre o valor do dinheiro, a importância de poupar e de não se endividar ao longo da vida. 
  • Possuir uma reserva de emergência: ter pequenas quantias em casa ou na carteira não fará mal a ninguém e pode até ser útil em emergências. Seja para comprar um remédio, um pão, utilizar o transporte público, etc.
  • Valorização da moeda estrangeira: numa possível oscilação de mercado, para quem tem moeda estrangeira guardada, é válido que a pessoa faça uma avaliação da cotação da moeda em relação ao real e se aquele é o momento ideal para trocá-la. 

Como investir meu dinheiro do cofrinho? 

Por tudo que vimos acima fica claro que o cofrinho de moedas deve servir apenas como item decorativo ou para situações específicas. Sendo assim, o ideal é quebrá-lo e investir o montante que estiver ali dentro, ainda que seja pouco.

No artigo “Guardar 100 reais por mês pode ser um bom negócio?” detalhamos como investir seu dinheiro de forma correta, leia aqui

O primeiro passo para quebrar o cofrinho de moedas e investir é identificar seu perfil de investidor

Você é conservador, moderado ou arrojado/agressivo? Cada um desses perfis possuem características específicas e uma série de opções de investimentos em renda fixa e variável. Veja abaixo com qual perfil você mais se identifica. 

  • Conservador: prioriza a segurança do dinheiro em investimentos de baixo risco como: Poupança, Tesouro Direto, CDB e outros. 
  • Moderado: também valoriza a segurança sobre o seu dinheiro, mas tolera possíveis riscos a longo prazo. Investe parte do dinheiro em renda fixa e outra parte em renda variável. 
  • Agressivo: aceita se arriscar para ter lucros altos e não se preocupa tanto com prejuízos. Esse perfil é ideal para quem já entende do mercado e pensa a longo prazo, com perdas e ganhos no meio do caminho. 

Viu só como vale mais a pena quebrar o seu cofrinho de moedas do que manter esse dinheiro parado e desvalorizando? 

Diminua o estresse e economize dinheiro

Após entender que deixar dinheiro guardado no cofrinho de moedas não é vantajoso, é chegada a hora de conhecer ferramentas que auxiliem sua vida financeira e diminuam o estresse que investimentos errados podem causar. E com benefícios estratégicos, sua empresa pode ajudá-lo nessa missão.

Conheça a ferramenta Xerpay e saiba como funciona o sistema que implementa o pagamento sob demanda, ou seja, os colaboradores de uma empresa podem antecipar parte de seus salários quando precisarem.

Essa ferramenta está mudando a forma como os funcionários lidam com o seu salário e gerando mais satisfação e motivação no trabalho.

O Xerpay pode ser um dos benefícios mais valorizados por quem trabalha em sua empresa. Fale com um especialista e conheça mais!

Não deixe de compartilhar este post em suas redes sociais para que seus colegas também tenham acesso a essas dicas, e seguir o Xerpay — a plataforma que transforma a vida financeira do colaborador trazendo mais autonomia sobre seu salário — nas redes sociais Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn

 

Confira outros artigos que você pode se interessar