Como não cair em golpes financeiros? 4 dicas práticas para se prevenir

como-nao-cair-golpes-financeiros

Como não cair em golpes financeiros?

Você já recebeu alguma mensagem com ofertas de produtos muito baratos, oferta de brindes, convites para eventos solicitando códigos enviados para o celular, venda de carros de forma duvidosa, amigos pedindo ajuda financeira pelo WhatsApp?

Cuidado! Esses são os golpes mais comuns por telefone atualmente. 

A crise gerada pela pandemia do coronavírus intensificou ainda mais as tentativas de fraude. De acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o país sofreu um aumento de 44% em golpes que usam nomes de bancos ou instituições financeiras para roubar dados e movimentar dinheiro das possíveis vítimas.

Diante de uma crise e tantas fake news disponíveis na internet, é fundamental redobrar os cuidados. Você deve conhecer a lógica por trás desses golpes financeiros e saber como evitá-los.

Neste post você vai aprender:

  • O que é e como funcionam os golpes financeiros?;
  • Quais os tipos de golpes mais comuns?;
  • Como não cair em golpes financeiros?;
  • Cai em um golpe, o que fazer?

Boa leitura!

O que é e como funcionam os golpes financeiros?

Golpe financeiro é um dos crimes mais comuns cometidos atualmente. Ele envolve alguma mentira ou ocultação de informações com a finalidade de enganar alguém, seja uma pessoa física ou empresa.

Geralmente, esse tipo de fraude está relacionado a questões financeiras, mas também podem ser de roubo de identidade ou documentos. 

O criminoso age com o objetivo de obter ganhos pessoais em cima de outras pessoas. Para isso, ele cria estratégias que chamem a atenção das vítimas para, assim, fisgá-las para o golpe.

No mundo financeiro, os golpes costumam ser bem elaborados para que a vítima crie confiança e faça o que o criminoso deseja. Por isso, é comum que esses golpes envolvam promessas falsas de retornos rápidos de dinheiro ou descontos mirabolantes.

De forma geral, esse tipo de golpe pode existir sob a forma de contratação de um serviço, de uma oferta de venda e, até mesmo, por meio de um estelionato, com o roubo de identidade e informações sensíveis da pessoa.

Quais os tipos de golpes mais comuns?

Se você nunca caiu em nenhum tipo de golpe financeiro, provavelmente conhece alguém que já tenha passado por isso. Isso porque os criminosos estão cada vez mais criativos e possuem mais meios para colocar suas estratégias em ação.

Segundo uma pesquisa recente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), mais de 12 milhões de brasileiros já sofreram algum golpe financeiro pela internet nos últimos anos. Isso representou um prejuízo de quase R$ 2 bilhões somente em fraudes.

Por isso, é fundamental conhecer os golpes mais comuns para não cair em nenhum deles. Confira a seguir:

1. Golpe por phishing

Phishing é um modelo de golpe aplicado, geralmente, por meio de e-mails, redes sociais e sites. O seu nome em inglês é originado da palavra pescar, pois define exatamente a forma como os criminosos agem.

Eles atraem as vítimas por meio de informações falsas, fazendo com que elas mesmas entreguem suas informações ou façam o download de um conteúdo contaminado por malware.

Para fisgar as vítimas, os criminosos usam mensagens prometendo aumento de limite de cartão de crédito, solicitam que a pessoa clique em um link para confirmar senhas, entre outras situações.

Outro grande exemplo do phishing é por meio de sites falsos. Os criminosos colocam anúncios falsos com descontos muito atrativos.

Assim, no momento que a pessoa clica, ela cai em um site muito parecido com o da loja verdadeira, não percebendo o golpe. Em seguida, preenche seus dados e realiza compras de produtos que nunca chegarão.

Leia também: Fraude no ambiente digital: como proteger o seu negócio?

2. Por telefone

Um dos golpes mais comuns por telefone, é quando uma pessoa se passa por um representante do banco da pessoa ou de algum outro serviço, como provedor de internet. Normalmente, nesses casos, é solicitado a confirmação dos dados pessoais do clientes.

De imediato, é difícil perceber que se trata de um dos golpes mais comuns por telefone, pois parece ser algo simples apenas confirmar algumas informações, não é mesmo?

No entanto, o golpista tem poucas informações da vítima e vai enrolando na ligação até que a pessoa revele dados importantes.

Muitas vezes, os criminosos oferecem serviços adicionais e convencem as pessoas a realizarem transferências via PIX. Você já sabe como esse método de pagamento funciona? Dá uma olhada no artigo ‘O que é o PIX? Entenda tudo sobre o método de pagamento instantâneo’ para saber mais.

Por isso, a Febraban alerta que os dados pessoais dos clientes nunca são solicitados ativamente pelas instituições financeiras, tampouco funcionários de bancos ligam para clientes para fazer testes com o Pix. É preciso desconfiar na hora desse tipo de ligação.

3. Via Whatsapp

A clonagem do Whatsapp tem sido um golpe muito popular durante a pandemia. Ele acontece por meio de uma mensagem enviada pelo aplicativo por uma empresa em que a vítima está cadastrada.

O criminoso solicita um código de segurança já enviado por SMS, afirmando se tratar de atualização cadastral, a partir disso, ele consegue replicar a conta da pessoa.

Depois de replicar a conta, o golpista envia mensagens pelo aplicativo fingindo ser o dono do número e pedindo ajuda financeira aos contatos por meio de transferência bancária para quitar dívidas. 

Outra forma de realizar golpe pelo Whatsapp é quando o criminoso escolhe uma vítima, normalmente nas redes sociais, pega uma foto dela, cria uma nova conta no aplicativo e, de alguma forma, consegue descobrir números de celulares de sua lista de contato. 

Após isso, o bandido envia mensagens alegando ter trocado de número e golpe acontece da mesma forma, pedindo transferências por PIX para alguma situação de emergência.

4. De empréstimos

Um golpe muito antigo e que ainda faz muitas vítimas é o golpe do empréstimo. Os criminosos fazem promessas de taxas de juros extremamente baixas, principalmente para clientes negativados que, geralmente, não conseguem liberar crédito facilmente.

Após chamar a atenção da vítima e convencê-la a solicitar um empréstimo, os golpistas pedem em troca a antecipação de um valor para concluir a solicitação. Este é um dos principais sinais para detectar esse tipo de golpe de transferências financeiras.

Por isso, para não cair em golpes financeiros é necessário que a pessoa realize uma pesquisa cuidadosa para saber se a empresa que oferta o empréstimo realmente existe, qual é a reputação dela, entre outras informações importantes.  

Para ter certeza de que não é um golpe, você pode realizar uma consulta mais aprofundada no site da Receita Federal para avaliar se a empresa está ativa, digitando o CNPJ no campo indicado.

Além disso, é possível consultar uma lista com todas as organizações que podem prestar esse tipo de serviço no site do Banco Central.

5. Por cartão de crédito

Os golpes financeiros por cartão de crédito podem acontecer por meio de clonagem, compras em sites falsos, troca de cartão, compras duplicadas, entre outras.

Na maioria das vezes, acontece também quando a vítima é manipulada a passar informações confidenciais ou utiliza um aparelho eletrônico duvidoso (no caso da clonagem).

Dessa forma, os dados são roubados sem que você perceba e utilizados para realizar compras indevidas.

Outros golpes financeiros que circulam na internet e merecem cuidado para não cair em golpes financeiros são: 

  • intimação do Imposto de Renda, para atualizar dados cadastrais;
  • falsos produtos, como kits para mulheres, no Dia Internacional da Mulher;
  • golpe do falso emprego: recolhe informações com a promessa de um emprego que não existe;
  • isenção do IPVA
  • golpe do 14° salário na Caixa.

Como não cair em golpes financeiros?

golpes-mais-comuns-telefone

Para você conseguir identificar uma fraude e não cair em golpes financeiros, confira as dicas abaixo.

1. Desconfie de tudo

Parece radical, mas quando o assunto é não cair em golpes financeiros por meio da internet ou telefone, é necessário agir com cautela, principalmente quando os valores são muito baixos e atrativos.

Por isso, você deve dar preferência a empresas que já conhece a credibilidade, ao invés de sites suspeitos com valores muito inferiores aos de todos os outros concorrentes.

Em casos de ligação com oportunidades exclusivas, desconfie também. Busque fazer perguntas ao vendedor sobre como ele conseguiu seus dados e por que você foi escolhido.  

De forma geral, fique atento a mensagens maliciosas que prometem boas oportunidades, mas que no fundo, apenas querem roubar seu dinheiro. 

2. Pesquise antes de fechar negócio

Outro passo primordial para não cair em golpes financeiros é não fechar negócio de imediato. Primeiro, você deve pesquisar a experiência de outros usuários, as políticas de devoluções da organização, outras informações importantes que podem evitar uma fraude.

O portal do Reclame Aqui é um excelente aliado para conhecer a reputação e conduta das empresas. 

3. Análise e compare os valores

Quando se trata de investimentos, você conseguirá detectar e não cair em golpes financeiros rapidamente se parar para fazer os cálculos e analisar os valores. Sabemos que nenhum dinheiro vem fácil, não é mesmo? 

Então, por meio de contas básicas e comparação com outros tipos de investimentos é possível identificar que aquilo é uma furada.

4. Desconfie de e-mails que solicitam senhas

Nenhuma instituição financeira envia e-mails (e nem telefona) para clientes solicitando a senha do cartão de crédito ou seu código de segurança.

Essas são informações pessoais e intransferíveis e não devem ser informadas nem digitadas no telefone para não cair em golpes financeiros.

Cai em um golpe, o que fazer?

Ainda que a pessoa seja muito cuidadosa, existe o risco de se cair em golpes financeiros. Por isso, você deve saber também como agir diante dessa situação para que os prejuízos sejam os menores possíveis.

Faça o boletim de ocorrência

No momento em que você identifica que está sendo atingido por uma fraude é importante fazer um boletim de ocorrência em casos de fraudes de contas bancárias, cartões de crédito utilizados por terceiros, saques do auxílio emergencial, entre outras situações.

Contate a instituição financeira

Em seguida, entre em contato com a instituição financeira. Em casos como o de cartão clonado e saques indevidos, ela pode bloquear sua conta e cartão, evitando que os criminosos ajam novamente.

Avise as pessoas próximas

Para casos como o do Whatsapp clonado, avise todos os seus amigos e parentes para não realizar nenhum tipo de transferência em seu nome. Isso irá evitar que pessoas próximas a você também percam dinheiro.

Além disso, você pode fazer uma denuncia anônima aos órgãos oficiais quando se deparar com esquemas de fraude e golpes financeiros.

Infelizmente, na maioria das vezes não é possível recuperar o dinheiro que já foi pago em golpes financeiros. A melhor forma de agir é por meio da prevenção, por isso, esteja sempre atento antes de fazer qualquer transação. 

Dinheiro com segurança e custo baixo: o brasileiro não abre mão

Com as dicas acima, você vai aprender como não cair em golpes financeiros. E se o seu objetivo é manter seu dinheiro em segurança e conseguir suporte financeiro, sua empresa pode ajudar.

Conheça a ferramenta Xerpay e saiba como funciona o sistema que implementa o pagamento sob demanda, ou seja, os colaboradores de uma empresa podem antecipar parte de seus salários quando precisarem.

Essa ferramenta está mudando a forma como os funcionários lidam com o seu salário e gerando mais satisfação e motivação no trabalho.

O Xerpay pode ser um dos benefícios mais valorizados por quem trabalha em sua empresa. Fale com um especialista e conheça mais!

Achou este artigo importante? Compartilhe em suas redes sociais para que seus colegas também saibam como se prevenir de um golpe financeiro.

Confira outros artigos que você pode se interessar